Luto, tristezas e uma certa paz - 5

Numa oportunidade ou noutra acabo me referindo a ela com carinho. E tenho sido comedido. Aqui me alongo. Ao expressar a saudade não quero fazer mera exposição do luto, quero apenas homenageá-la, dizer da sua importância. Sem drama, sem alarde, em paz. Mas ainda assim algumas pessoas me fizeram chegar aos ouvidos a seguinte observação: “Ele devia estar mais preparado para isso”. Sorrio e continuo em paz e penso, eles não sabem o que dizem, pois que estão dizendo: ele devia ser árvore que não floresce; ele devia ser janela que não se abre; devia ser fogo que não aqueçe; devia ser fruto que não ganha doçura, devia ser noite que não amanheçe. Deus!

2 comentários:

Paula Barros disse...

Que assim seja, falar dela com carinho, expressar sentimentos.

Somos sempre cobrados, julgados, interpretados...e confesso que por vezes cobro, julgo, interpreto, a mim, ao outro.

abraço.

EDER RIBEIRO disse...

Nunca estamos, meu querido Dauri, ninguém se prepara para a partida de quem amamos, pois queremos elas perto de nós. Abçs.